Que métodos anticoncepcionais as mulheres usavam na antiguidade?

Que métodos anticoncepcionais as mulheres usavam na antiguidade?

Desde o começo dos tempos, os seres humanos fazem sexo sem a intenção de se reproduzir. Até o fim do século dezenove e começo do século vinte, mulheres e homens usavam vários tipos de métodos anticoncepcionais caseiros para prevenir a gravidez. Então vamos voltar no tempo para dar uma olhadinha em como nossos ancestrais evitavam engravidar.

Nove Formas de Prevenir a Gravidez Usadas na Antiguidade

Antes do movimento favorável ao uso de métodos anticoncepcionais, que está intimamente ligado ao movimento feminista, as mulheres confiavam em contraceptivos orais caseiros feitos de ervas, temperos e até mesmo metais pesados. Barreiras improvisadas feitas de vísceras animais e vários outros ingredientes destinados a bloquear a passagem do esperma eram colocados diretamente nos órgãos sexuais para evitar a gravidez. Isto sem mencionar os perigosos abortos e tentativas de aborto que muitas mulheres faziam para acabar com gravidezes não-desejadas.

Quer saber que tipo de métodos as mulheres do antigo Egito, Roma, Grécia e Europa Medieval usavam até o fim dos anos 1800? Aposto que, após ler esta lista, você vai agradecer por ter nascido num mundo onde existem os anticoncepcionais modernos…

Mel e Acácia

Registros datados de 1850 antes de Cristo mostram que alguns dos métodos anticoncepcionais mais populares no antigo Egito envolviam o uso de mel, da fruta e das folhas da acácia. As mulheres misturavam mel com a fruta da acácia e embebiam em fiapos de algodão. Então inseriam o produto final dentro de suas vaginas antes de transarem, na esperança que aquilo matasse o esperma antes dele chegar ao útero.

Fezes de Crocodilo

Provavelmente o ingrediente menos higiênico usado para prevenir a gravidez. Os antigos egípcios e mesopotâmios misturavam fezes de crocodilo com outros ingredientes para formar um “pessário”, um bloco a ser inserido na vagina.

Este não é o único registro do uso de fezes animais como contraceptivos na antiguidade. Na Índia e no Oriente Médio, as pessoas faziam o mesmo com fezes de elefante.

Não se sabe, mesmo hoje em dia, se algum destes métodos era eficaz.

Chumbo e Mercúrio

Difícil imaginar que, naquela época, as pessoas aplicavam e consumiam substâncias venenosas como os metais pesados que hoje em dia sabemos serem tão prejudiciais à saúde.

Em todo o mundo havia civilizações que usaram metais pesados, incluindo mercúrio, chumbo e arsênio para prevenir a gravidez. Os antigos egípcios, assírios, gregos e chineses bebiam mercúrio, chumbo e arsênio líquidos - ou uma combinação deles - para prevenir a concepção. Infelizmente estas substâncias venenosas também causavam o colapso de rins e pulmões, além de danos ao cérebro… Mas funcionavam como método anticoncepcional!

Sílfio

Nas antigas Roma e Grécia, e no Oriente Próximo, mulheres usavam um contraceptivo oral chamado sílfio, que era uma espécie de erva-doce gigante. Elas embebiam fiapos de algodão no suco da planta e os inseriam em suas vaginas para evitar engravidar.

As sementes de sílfio acabaram se tornando tão valiosas que foram usadas como moeda, chegando a valer mais do que a prata, de acordo com o peso. A planta acabou extinta ainda na antiguidade.

Cenoura Selvagem

A Cenoura Selvagem foi usada como uma forma efetiva de controle de natalidade por milhares de anos, e mesmo sendo considerada um método anticonceptivo da antiguidade, ainda é utilizada hoje com o mesmo propósito.

A Cenoura Selvagem foi até mesmo descrita pelo famoso Hipócrates há mais de dois mil anos, como método anticonceptivo e abortivo.

Alguns dizem que as sementes da Cenoura Selvagem talvez sejam um dos mais potentes agentes anticonceptivos existentes na natureza. Ela é mais eficiente quando usada tomada imediatamente após o sexo. A semente impede a síntese de progesterona, bloqueia a nidação (N.T.: quando o ovo se adere ao útero) ou faz o ovo se desprender logo após a nidação.

Óleo de Oliva

Um método antigo de contracepção proposto pelo próprio Aristóteles e usado pelas mulheres da Grécia misturado com óleo de cedro para diminuir a mobilidade do esperma. Isto lhes dava tempo de se lavar após o sexo e diminuir, assim, a chance de uma gravidez.

Limão

Acredita-se que o ácido cítrico do limão possui qualidades espermicidas, o que faria esta fruta ácida um método anticonceptivo funcional. Mulheres embebiam esponjas ou algodão no suco de limão e os inseriam em suas vaginas. Aquilo agiria tanto como uma barreira para o cérvix como um espermicida.

Dizem que Casanova, o famoso garanhão de Veneza do século dezoito, costumava fazer uma capa para o cérvix usando meio limão para as afortunadas mulheres com quem dividia sua cama.

Fonte